Tag: maconha

Por que o Uruguay saiu na frente na legalização da maconha?

Bem, como todos estão sabendo, o Uruguay está se tornando um dos primeiros países do mundo a regulamentar a maconha para qualquer cidadão que queira fazer uso. O projeto uruguaio é mais ousado que o Holandês e ainda por cima ocorre debaixo no nosso nariz, o nosso vizinho Uruguay, que já tem demonstrado ser um país referência em diversos outros setores.

ico-separa-post
Então vamos ver este vídeo, publicado pelo próprio governo Uruguayo. O vídeo está falado em um espanhol tão claro que aposto que qualquer brasileiro poderá entender boa parte do que é dito.

 

 

Tópicos a serem debatidos

Em primeiro lugar, a questão da política repressora.  Que a guerra contra as drogas foi perdida, isso já se sabe. Mas pela primeira vez, ela foi admitida pelo governo.

Mas… Por que os governos continuam a combater o uso de drogas? Bem, eu poderia dar a vocês um gráfico, mas prefiro uma charge do Latuff:
uruguai-legaliza-a-maconha
Mesmo assim quer o Gráfico? Então tá:
Gráfico
O gráfico contém alguns erros, mas na essência ele continua igual. Ele mostra na linha azul o consumo de entorpecentes e na linha verde a quantidade de dinheiro gasta, ano após ano, na tal Guerra contra as drogas. A curva em verde não é tão acentuada, mas mesmo assim continua sendo grande: os Estados Unidos de fato investem cada vez mais no combate às drogas, mas o consumo nunca variou.

Se a guerra contra as drogas é uma guerra perdida, então por que os governos investem tanto no seu combate?

Bem, acho que todo mundo já viu o documentário chamado A Obsolescência Programada. Se não viu ainda, pára tudo e vai ver. Neste documentário ele fala na obsolescência programada nos objetos de consumo civis, mas não mexe muito no vespeiro. Vejamos: o documentário fala das lâmpadas e impressoras, e que os manufaturados são feitos para durar o menos possível, pois assim é preciso fabricar mais e isso mantém a economia aquecida. O governo fabrica o papel de dinheiro e pra ele não desvalorizar pouco depois, inventa-se um jeito de gastar ele, fazendo-o circular mais e mais.

Agora, uma pergunta: Qual é, de todos os objetos, o mais obsolescente de todos?

Enquanto você pensa aí, vamos continuar. O Uruguai é um país com menos de três milhões e meio de habitantes. Um país menor que o Rio Grande do Sul, cercado das duas maiores potências da América do Sul, o Brasil e a Argentina. Um país pequenino assim teria alguma chance em caso de guerra? Não, né? No Ranking militar da América do Sul, até o Equador pontua, mas o Uruguay, nem sombrinha.

Não faz muito sentido um país tão pequeno criar conflito bélico com nenhuma das potências que o cercam. E também não é rota de droga com os Estados Unidos ou Europa. Isso desestimula os governos imperialistas de dar aquela mesada básica para gastos militares. Quando havia a sombra do comunismo, até vá, ajudou o Uruguay a manter a sua ditadura. Mas agora…? Agora o Uruguay é visto assim:

O Uruguay na versão de Homer Simpson

Então chegou a hora de costurar os pontos pra fazer sentido. O que tem a ver Guerra contra as drogas com Uruguay não ser rota de drogas, com não ter exército, o que tem a ver tudo isso com Obsolescência programada? Lembram da pergunta?

Qual é, de todos os objetos, o mais obsolescente de todos?

Um objeto que dura muito pouco…

Que não pode ser consertado e que custa caro…

Munição, o objeto mais obsolescente de todos

MUNIÇÃO!

A munição dura o tempo de um tiro, não pode ser consertada, sempre precisa ser reposta por artigos novos (mais munição).

As armas nunca passaram pelo processo de anti-engenharia, nunca ninguém as tornou obsoletas. Por que? Porque as armas são geradoras de obsolescência, elas consomem munição, então é bom que uma arma seja eficiente pelo maior tempo possível. O lucro da indústria bélica não são os disparadores, mas sim os projéteis.

Durante a década de setenta, os Estados Unidos davam a sua mesada capitalista aos países pobres, para que lutassem contra o comunismo, as esquerdas e o tráfico de drogas.

O combate à maconha iniciou nos EUA quando a Du PONT comprou alguns senadores para que eles derrubassem o cânhamo, que era o rival do seu novo produto, o nylon. Passaram a chamar a maconha de “maryhuana”, uma alusão aos mexicanos, que fumavam a droga, utilizando assim do preconceito estadounidense aos “Chicanos”, ou seja, a todos os latinos.

O Brasil ainda é preso a este círculo vicioso que condena a maconha por puro interesse militar. Muitos policiais já se deram conta disso. Nos Estados Unidos os policiais mais lúcidos dessa questão fundaram o LEAP, uma sigla para dizer “Agentes da lei contra a proibição”. Eles fazem campanhas com argumentos bem racionais e claros
LEAPbillboard.previewO LEAP Brasil também se esforça:

Mas contra o poderio de influência dos Estados Unidos, o LEAP é visto assim:

LEAPtoon2Tipo: “óóó, que engraçadinhos esses policiais querendo acabar com a Guerra às Drogas, que meigooos!”

Fófis, né? Tão sonhadores…

Mas os tempos mudaram. Os interesses em combater a maconha estão murchando. O Brasil está se industrializando em termos bélicos, a mesada militar está se reduzindo a apenas alguns focos, como é o caso do presidente-pelego da Colômbia Juan Manuel Santos, que ainda recebe grana pra combater as FARC. Mortes e dinheiro, que combinação!

Em outros países andinos, a saída da mesada gringa fez surgir líderes populares como Hugo Chavez e Evo Morales, que estão mais ou menos nos moldes do presidente uruguaio José Mujica, tão popular que anda de fusca, constrói casas populares com seu salário presidencial e tals. O que sustentou as ditaduras latinoamericanas, isto não é nenhuma novidade, foi a verba da CIA. No Brasil entrou o PT que é aquela esquerda light, água de salsicha, porque é claro, nosso contato econômico com os Estados Unidos ainda é bem forte.

Antes de finalizar

Queria dar mais uma das razões de sobre Por Que o Uruguai legalizou primeiro. para isso vou falar de uma experiência pessoal lá no país da Norteña:

Estava eu na capital do país, na frente do teatro Solis, que fica no coração administrativo e soberano da nação Uruguaia (Sente o garbo e a pompa). Especificamente na noite, num bar de esquina, onde todos fumavam seus cigarros -de tabaco, OK? Na minha mesa alguém resolveu fazer a mesma coisa e pediu para um “moço” (lá você chama de moço ao garçom, mesmo que ele tenha noventa e cinco anos de idade) um cinzeiro. Não pode.

-Como não pode?

Ele não tinha cinzeiros no bar, porque é proibido fumar cigarros em ambientes públicos ou sei lá, bares. Mas tava todo mundo fumando. Fumando e jogando cinzas no chão.
Daí aparece um negão vindo da rua, um cara bonito de dois metros de altura, cabelos compridos com dreads, preto, muito preto, falando um inglês estranho, senta e puxa a maior tora de maconha que alguém já viu na vida. Jamaicano, Queniano, sei lá. E só nós ficamos embasbacados com aquilo.

Gente, o Uruguai tem três milhões e meio de habitantes! O show dos Rolling Stones em Copacabana tinha gente do arpoador ao Leme e um terço da população uruguaia. Numa praia. Agora transporta isso a um sistema de policiamento. O Uruguai tem pouquíssimos policiais. Tem pouquíssimo quase tudo, menos vacas, que parece (sem piada) que tem mais gado que humanos por lá.  Outro exemplo, dessa vez com foto:

mate no ônibus
A quantidade de gente que eu vi desrespeitando as leis na cara dura foi incrível. Esse flagrante aconteceu não só na frente do cobrador, como o próprio estava tomando o seu. A lei funciona lá como um alerta: Você pode fazer certas coisas ilegais, mas no caso do seu abuso dar muita bandeira, aí você será cobrado pela lei.

Faz então sentido ficar proibindo maconheiro? Não tem sentido nenhum, é hipócrita!

Na verdade é hipócrita proibir usuário de usar a sua droga em qualquer país do mundo. Como diz o Dráuzio, Se não conseguimos impedir a entrada de drogas num presídio de segurança máxima, imagina na rua!

Ligar para a polícia no Uruguai para denunciar um maconheiro deveria dar uma multa ao denunciante.

ico-separa-post

Soa misantropia, mas a real é que não foi a causa maconheira nem a causa do LEAP que fizeram a coisa acontecer como aconteceu, mas sim que a torneirinha de dinheiro americana cessou. Foi cessando, este é um processo lento e a adaptação vai aos poucos. Aqui no Brasil, as forças da extrema direita, logicamente estão apavorados com o novo modelo uruguaio. Mas este é um processo irreversível que apenas demora mais aqui, que nós temos mais o rabo preso com os ianques do que os Uruguaios.

ico-separa-post

Se gostaram desta matéria compartilhem ela no facebook, blá blá blá, assinem o feed que se encontra na parte inferior da página… Se tiverem coisas para acrescentar ou subtrair, COMENTEM, mas não deixem de participar, isto é muito importante e Obrigado pela audiência, fui

really-stoned-guy

Político que votou contra a maconha cai num atraque cheio da erva

Steve Katz: Um conservador maconheiro
Steve Katz: Um conservador maconheiro

O republicano Steve Katz caiu uma patrulha de trânsito por excesso de velocidade em uma estrada nos arredores de Albany, a capital do estado de Nova Yorque, quando o homi sentiu uma marofada desgraçada na sauna ambulante que era o carro dele.

“Katz cooperou com o policial e entregou uma bolsa de maconha”, confirmou a porta-voz da polícia estadual, Darcy Wells. O deputado foi autuado e responderá por crime de posse ilegal de drogas, segundo o jornal “New York Post”.

Katz deverá se apresentar ao tribunal no próximo dia 28 de março. O deputado foi eleito em 2010 com o apoio do Tea Party, a ala mais radical do Partido Republicano, e um ano depois votou contra a legalização do uso medicinal da maconha.

Viu só? Não tivesse sido hipócrita, não ia cair na lei que ele mesmo ajuda a manter.